3 de fev de 2013

DICA DE LIVRO: Dança Macabra, de Stephen King

Stephen King, devo confessar, é um de meus autores favoritos. E é certamente o que mais li (pelo menos uma quinzena de livros) desde minha adolescência, quando eu devorava histórias de terror. Há muito tempo que eu estava querendo conferir o já clássico Dança Macabra, que foi relançado em 2012 pela editora Ponto de Leitura, num formato de bolso. Nas quase 600 páginas da obra, o autor faz uma análise de inúmeros produtos culturais do gênero que o influenciaram, de programas de rádio a histórias em quadrinho, passando obviamente pela literatura, televisão e cinema. Sim, é um livro de não-ficção!

Escrito entre A Incendiária e O Cemitério (já li os dois e, para mim, este segundo é o melhor de todos), Dança Macabra (1981) não é somente interessante para os fãs de King, mas também para quem adora o terror de modo geral. O mestre do gênero propõe teorias detalhadas e pessoais sobre os arquétipos do vampiro, do lobisomem, do monstro e da casa mal-assombrada. No capítulo referente ao livro mais famoso de Bram Stoker, por exemplo, ele sugere que Drácula se trata de uma obra bem mais erótica do que poderíamos imaginar. A mordida no pescoço é vista como uma espécie de sexo oral praticado pelo morto-vivo.

Curioso também ver que Stephen King, que já teve dezenas de obras adaptadas para o cinema, parece ter gostado mais da versão de Brian de Palma para Carrie, A Estranha do que o próprio livro. Aliás, esta foi sua primeira publicação e, em Dança Macabra, King conta como foi escrevê-la nos tempos de vacas magras, quando trabalhava numa lavanderia e morava num trailer com a esposa e o filho recém-nascido.

Existe, além disso, um amor incontido pelas histórias de sua infância, quando a mãe tentava impedi-lo de ouvir os programas de horror na rádio (o que, segundo ele, era ainda mais apavorante que o cinema; o som fazia a imaginação produzir imagens terríveis) ou ler gibis como Contos da Cripta (estes chegaram a ser publicados uma época no Brasil, eu me lembro de ter comprado um ou dois exemplares, hoje perdidos, no fim dos anos 80). King tampouco nos poupa de referências a um de seus primeiros ídolos da literatura fantástica, H.P. Lovecraft, que serve de inspiração para vários escritores de terror até os dias atuais. Pena que muitos livros citados permaneçam inéditos em português, pois minha curiosidade foi aguçada.

Esta edição chega às livrarias com alguns erros de impressão, como palavras concatenadas (precisa de uma revisão, editora!), mas nada que tire o prazer da leitura. Apesar de algumas delongas desnecessárias, Stephen King traz aos seus leitores um tratado importante sobre um dos gêneros mais menosprezados pela crítica literária, porém cultuado com fervor por muita gente.

8 comentários:

  1. Pierre:

    Um livro imperdível para os amantes da vastíssima obra de King, né?rs

    Linda semana. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um dos clássicos de King! E primeiro livro de não-ficção dele. Acho ótimo não apenas pra quem gosta de SK, mas pra quem curte o gênero do terror.
      Ótima semana, Edilson, e abraços.

      Excluir
  2. Eu particularmente não gosto desse tipo de literatura ¬¬
    não consigo ver ou ler algo me de angustia e gostar disso hahahaha

    Pra quem curte o gênero parece uma boa pedida, pois da pra se ver a opinião do autor a respeito do assunto que permeia a maioria (pra nao dizer toda) de suas obras

    Contudo confesso que ja li UM livro de Stephen King!
    um livro de 1975 (se nao me engano foi o segundo livro na ordem cornológica dele o.Õ) e se chama A Hora do Vampiro (Salem's Lot) - nome ridiculo em portugues rsrsrs

    esse mesmo livro (que parecia que não acabava nunca e me deu pesadelos - SÉRIO -.-") teve uma adaptação e virou um filme (beeeem trash ) acho que se chama "Os Vampiros de Salem"


    legal o blog ter dicas de livros e filmes (poderia falar tbm de seriados - e tbm de animes, de musica de bandas *.*) deixa tudo mais interessante e sai da mesmice.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc não gosta de se assustar, Rafael? rs
      É muito interessante ver a análise de King sobre diversas obras do gênero, como Drácula e O Médico e O Monstro. Pra quem gosta do tema, instiga a curiosidade para ler algumas obras citadas, mas infelizmente são inéditas por aqui.
      Esse "A Hora do Vampiro" eu já li, sim! É aquele q no fim toda a cidade se transforma, né? Eu não vi o filme (aliás, ele o cita em 'Dança Macabra' e aparentemente foi um telefilme e não uma adaptação para o cinema).

      Ah, sim, Rafael, o BM este ano passou a dar dicas culturais, além de moda e beleza. É um verdadeiro "bazar" mesmo - hehe. Volte sempre e obrigado pelo comentário, querido. Boa semana pra vc!

      Excluir
    2. Pois estou gostando bastante das "ofertas" desse novo bazar esse ano :D

      e não, não gosto de me assustar muito não ◔_◔'
      só Deus sabe o como eu sofri pra ver as temporadas de american horror story! Aqui em casa chegava domingo todo mundo já pedia pra por no FX pra ver o seriado (nunca senti tanto medo com aquela primeira temporada, a segunda foi mais branda ... mas assusta tbm (╥﹏╥)

      e sobre o filme, vdd tem realmente cara de telefilme (meio "orçamento baixo" né rsrss)

      Excluir
    3. Eu só vi alguns episódios dessa série. Não sou mto adepto de seriados. Gosto de alguns mais antigos. Tinha um que passava no extinto USA que eu a-do-ra-va e que pouca gente conhece no Brasil chamado 'Assassinato por Escrito', com a Angela Lansbury fazendo uma escritora de suspense, viúva, que desvendava um homicídio em cada capítulo. Estilo Miss Marple, porém mais charmoso. Essa série fez enorme sucesso nos EUA, com mais de 15 temporadas se não me engano.
      Ah, obrigado, continue por aqui que sempre teremos coisas bem legais no Bazar - hehe.

      Excluir
  3. Respostas
    1. Jurava que vc não curtia terror!! hahaha
      Obrigado pela visita, Bratz!
      Bjs e boa semana.

      Excluir