7 de ago de 2013

SÃO PAULO (PARTE 2): Dica cultural e de restaurantes + lanchonetes


Continuando a postagem anterior, sobre meu fim de semana passado em São Paulo, hoje darei algumas dicas de lugares para ir comer + uma sugestão de cineminha. Revisitei alguns lugares badalados, como a padaria Bella Paulista, mas essa quase todo mundo conhece ou já ouviu recomendações, certo? É tipo uma parada obrigatória - hehe. Vamos falar de lugares menos óbvios.

Um deles é a pizzaria Piola, no Jardins (caso não esteja enxergando bem os endereços, clique nas fotos abaixo para ampliá-las), um restaurante supercharmoso, com iluminação multicolorida, ar retrô sofisticado e aconchegante.

Apesar de terem colocado a música um pouco alta, na minha opinião, o que prejudica na hora de conversar com os amigos, o atendimento é excelente. É basicamente um restaurante italiano, que serve massas e entradas, mas o ponto alto, claro, são as pizzas de massa fininha e crocante.


Outro espaço para comer, desta vez mais sofisticado, é o restaurante Tavares, na Consolação. Neste caso, achei que o lugar em si era uma atração mais interessante que a comida - rs. Não que a gastronomia não seja boa, mas nada extraordinário, sabe?

De qualquer forma, tem ambientes requintados. O banheiro, a propósito, é puro luxo - hehe. Sério: o masculino e o feminino são divididos por uma cortina de voile, algo que lembra um harém, e a "pia zen" possui um design todo inusitado (só indo mesmo pra conferir). Possui serviço de manobrista também. A única coisa que me incomodou foram as cadeiras Eames; são lindas, mas um pouco desconfortáveis - rs.

Em se tratando de lanches, um lugar que recomendo muito, mas muito mesmo, é a Paxtel9, lanchonete que possui os maiores e mais gostosos pastéis que já provei na vida! Ainda não fui ao Mercadão — me disseram que os de lá são bastante generosos também, porém um pouco encharcados. Os da Paxtel9 são sequinhos e crocantes. Pedi um de pepperoni e não me arrependi, mata qualquer grau de fome, sem dúvida, e nem são caros. Delícia!


Se você estiver na altura da célebre Rua Augusta, com fome, e não quer nada muito "engordiet", minha sugestão é passar na lanchonete PicNic, toda baseada num estilo saudável de ser, com sucos naturais e sanduíches chiques mas de baixo teor de gordura. Lá, experimentei um lanche feito no ciabatta com recheio de frango e creme de alho-poró. Hummm

Lá, você chega, escolhe o que vai comer num refrigerador bem à entrada, assim como suco e, quem sabe, uma sobremesa (o pote de salada de frutas era enorme), aí leva para o balcão, um funcionário esquenta seu sanduíche num forno e te chama quando estiver pronto. Simples e gostoso, um fast food da saúde!


Depois de comer na PicNic, fui com uns amigos ao cineminha. Como não sou muito fã de blockbusters (há exceções), como vocês talvez já tenham percebido, optei por um filme que foge do circuito comercial. E onde se encontra esse tipo de filme? No Espaço Itaú de Cinema (antigo Espaço Unibanco, sabe?). Lá fomos assistir ao francês Renoir, de Gilles Bourdos, com o veterano Michel Bouquet no papel-título.


A plateia estava lotada, um público mais velho, claro; muita gente das gerações atuais pode achar uma obra tediosa, sei lá, mas eu gostei — até porque me interesso muitíssimo por artes plásticas, sei lá. Renoir é do tipo mais "parado", uma película contemplativa, assim como as pinturas impressionistas que enchem as paredes de museus mundo afora.

É sobre um conflito de gerações: o renomado artista Pierre-Auguste Renoir, afetado pela gota, artrite e provavelmente quase cego, julga a pintura como a mais prestigiosa forma de expressão e desaprova o cinema, uma arte novíssima em 1915, ano em que se desenrola a história. Seu filho do meio, Jean, volta ferido da 1ª Guerra, sem saber direito o que fazer da vida. Influenciado pela nova modelo de seu pai, Dedée, que sonha ser atriz, resolve arriscar e se entregar ao mundo dos filmes, mesmo com desaprovação da família. O resto todo mundo sabe: Jean Renoir se transformaria num dos mais célebres cineastas do século. Uma boa dica pra quem curte filmes de arte.

Fotos: reprodução

6 comentários:

  1. Confesso que todas elas são tentadoras.
    Deu vontade de visitar todas elas, mais eu acho que se fosse viajar, eu passaria fome, a maioria do meu dinheiro vai para roupa (quanto tenho né u.u) comida mesmo, eu penso em ultimo momento! HAHA, eu vi uma vez no blog chata de galocha da lu ferreira a indicação do picnic, eu ja estava com vontade de conhecer lá por ela, agra com sua indicação, deu mais vontade, OPAIAOSI realmente sua viajem, foi otima u.u, mais ainda prefiro o post anterior das roupas haha !

    http://ilovestarandbooks.blogspot.com
    http://fb.com/vitorgabrielnb
    http://fb.com/teenvoguebr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é consumista, hein? kkkkkk
      Quem nunca, né? Mas vá mesmo ao PicNic, é muito bom, e de quebra fica perto do cinema Espaço Itaú, que sempre exibe bons filmes que não passam no circuito comercial.
      Abração, querido, e obrigado pela visita.
      ^^

      Excluir
  2. Muito legal adorei as dicas deu muita vontade de visitar todas hehehe http://estilo4u.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anota tudo pra quando vier pra SP, hein?
      =D
      Abraços, Wagner, e ótimo fim de semana!

      Excluir
  3. Adoro ir pra Sampa fazer uns passeios culturais, mas no que me perco mesmo, são nas galerias da Paulista e Augusta, em suas perfumarias, adooooro. Muito bacana as dicas parabéns!

    //Mundo Masculino//

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre bom, pena q SP anda caríssima de se visitar. Mas é legal se planejar e ir de vez em quando. Eu fui mesmo a uma das galerias da Augusta, quase comprei uma caveira linda pra decorar meu quarto, mas me segurei. Ainda quero achar uma amarela ou azul pra combinar com as coisas aqui (a q eu vi era prateada).
      Obrigado pela visita e um ótimo fds, Fábio!

      Excluir